Nossa primeira linha de produtos foi desenvolvida por mulheres presas na Penitenciária Feminina 2 de Tremembé, no interior paulista, que participavam da Cooperativa Social Lili, a primeira incubada pelo Instituto Humanitas 360 dentro de seu programa Empreendedorismo Atrás e Além das grades.

O trabalho de co-criação foi coordenado pelos designers Renato Imbroisi e Cristiana Pereira Barretto, com facilitação da equipe do H360. A maioria das presas não tinha conhecimentos de corte, costura, crochê ou bordado. Renato e Cristiana fizeram quatro oficinas de capacitação técnica das cooperadas na Penitenciária Feminina 2 de Tremembé, com uma semana de duração cada, contando com o apoioo das artesãs Sonia Maria Leal Bento e Terezinha Mendes dos Santo, a colaboração voluntária das designers Camila Testa Stifelmann e Gisela Allegro Baptista Bilyk, da restauradora Isabel Milani e do artista plástico Paulo Von Poser, como mostra o vídeo abaixo:

Esse processo de co-criação e capacitação técnica se estendeu ao longo de quatro meses. Durante todo esse período, e por mais de um ano e meio depois, a equipe do Instituto Humanitas360 visitava semanalmente a unidade prisional desenvolvendo o trabalho de incubação da cooperativa, apoiando as participantes na gestão, compra a controle de insumos, estoque, controle de qualidade, administração financeira e divisão das receitas. Os recursos financeiros para o desenvolvimento do projeto foram aportados pelo H360 e por renomadas instituições internacionais de apoio aos direitos humanos.